quarta-feira, 11 de novembro de 2009

SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS E PALEONTOLÓGICOS

No Rio Grande do Norte existem muitos sítios arqueológicos e paleontológicos de significativa importância, os quais se apresentam como importante alternativa para o desenvolvimento de um turismo ecológico e cultural sustentável. Dentre os principais ou melhor conhecidos e que têm uso turístico ou potencial para exploração, podem ser citados: o Lajedo de Soledade, situado no município de Apodi, que se mostra como um sítio arqueológico e paleontológico com gigantesca e bela exibição de rochas calcárias (depositados a cerca de 90 milhões de anos, quando um mar raso cobria a região), circundadas pela caatinga, onde são encontrados ossos de animais já extintos do nosso planeta, tais como preguiças e tatus gigantes, mastodontes e tigres dentes-de-sabre, além de pinturas e gravuras, onde estão representados araras, papagaios, garças, lagartos, outros animais e formas geométricas ainda não decifradas (Fig. 8), registrados por povos primitivos que habitaram a região na Era Glacial, entre 3.000 e 5.000 anos; Lájea Formosa, situado no município de São Rafael, na região Seridó, e distando cerca de 210 km de Natal, capital do Estado, onde se tem registros arqueológicos e paleontológicos, sobressaindo-se ainda os belos monólitos de rochas graníticas, com diversos tanques naturais esculpidos na própria rocha, os quais serviram de armadilha fatal para alguns dos gigantescos animais (mastodontes, tigres dentes-de-sabre e preguiças gigantes) que habitaram a região na Era Glacial; Pedra do Alexandre (Fig. 9), Casa Santa e Xique-Xique I e II (Fig. 10), no município de Carnaúbas dos Dantas (Região Seridó) e distando cerca de 210 Km de Natal, onde foram foi encontrados fartos registros de civilizações antigas que habitaram a região, com pinturas rupestres e enterramentos humanos datados entre 2.600 a 9.400 anos.
Não o bastante, pelas suas belezas e importância cultural e turística, os sítios paleontológicos e arqueológicos são espaços naturais de extrema fragilidade e que devem somente ser explorados pelo turismo ecológico ou cultural, em pequenos grupos, e desenvolvidos por profissionais experientes no assunto, conhecedores do real valor de tais recursos e de grande responsabilidade para com o meio ambiente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário